História

27 de junho de 2016

Quando, em 2005, o CPCD e outras onze organizações apoiadas pela Fundação Avina se reuniram em Araçuaí, a causa que mobilizou os especialistas era transformar o município numa cidade sustentável. Para pensar e atuar de forma integrada, a estratégia escolhida foi convergir diferentes tecnologias ligadas à água, à habitação, à cultura, ao trabalho, ao alimento, à energia, à saúde e à educação, a partir de alianças em torno da mesma causa. Nascia, assim, o Araçuaí Sustentável.

A partir de 2007, a gente passou a contar com o apoio da Petrobras e a mobilização para implantar tecnologias socioambientais integradas na cidade se intensificou. A troca de conhecimento entre os parceiros iniciais logo gerou frutos e as pessoas e entidades daqui foram se apropriando das tecnologias e formando novas alianças. Foi aí que se viu o empoderamento ou, como o Tião Rocha gosta de dizer, o “empodimento” das pessoas. O encontro entre as tecnologias trazidas e os quereres, saberes e fazeres locais despertaram na nossa gente o poder e a vontade de realizar. “Nós pode?”, perguntavam. E o Tião respondia: “pode!”.

Em 2015, Araçuaí Sustentável mudou de nome para retratar, com mais propriedade, a amplitude da nossa causa. Agora, a plataforma tem o bonito nome de Arasempre. Porque, nessa caminhada, a gente abraçou o objetivo de fazer de Araçuaí uma cidade para todos e para sempre, gerando mais inclusão, autonomia e sustentabilidade. Hoje, já existe uma forte apropriação das tecnologias socioambientais nas comunidades da cidade, o que trouxe ganhos reais de qualidade de vida para pelo menos 400 (quatrocentas) famílias de Araçuaí. Mais de cinco mil crianças, jovens e adultos já interagiram diretamente com a Plataforma e a gente pode dizer que os cidadãos daqui já visualizam alternativas para permanecer – felizes e dignamente – na nossa cidade.